top of page

MUNICÍPIO GERA QUASE 2 MIL NOVOS EMPREGOS EM SEIS MESES DE 2019

Volta Redonda registrou 1.956 vagas de trabalho formal, ficando atrás apenas de Campos dos Goytacazes

Foto: Arquivo

A economia gerou 408.500 empregos com carteira assinada no primeiro semestre deste ano, no Brasil. Conforme os dados disponibilizados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, num cenário regional, Volta Redonda é a segunda cidade do Estado do Rio de Janeiro que mais gerou vagas de emprego formal (carteira assinada), no primeiro semestre deste ano (janeiro a junho). O município registrou 1.956 vagas de trabalho preenchidas, ficando atrás apenas da cidade de Campos dos Goytacazes, que teve o melhor desempenho, com geração de 3.242 contratações formais.

Com os números divulgados, Volta Redonda se mantém na liderança sobre a geração de empregos no Sul do Estado do Rio de Janeiro. O saldo positivo durante o ano de 2018 havia ficado em 2.295 vagas, segundo dados do Caged (veja tabela).

Na cidade do aço, isso se deve, em parte, ao processo de reforma do Alto Forno 3 da Usina Presidente Vargas (UPV), da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que está em curso. Também pode ser citado como influência o 'Mutirão do Emprego', realizado pela Prefeitura de Volta Redonda, no início do mês de maio.

É o que avalia Evandro Queiroz Glória, diretor de Desenvolvimento Econômico e Tributário da Câmra de Dirigentes Lojistas de Volta Redonda (CDL-VR), e sócio-proprietário da Glória Contabilidade. "Os números do governo anterior eram piores, mas o comércio em geral e as pequenas empresas continuam em estagnação. O que vejo nestes números é a alavancagem promovida pela contratação de mão de obra para a reforma do Alto Forno da CSN. Infelizmente, a cidade de Volta Redonda não tem mais para onde crescer industrialmente falando, pois não há espaço adequado", contou.

Ainda segundo Evandro, uma ação que o governo atual implementou, e tem relação com a inserção dos Microempreendedores Individuais (MEI) na economia local, "colaborou um pouco mais para geração de renda, do que de empregabilidade formal".

- Temos muito o que fazer e ainda estamos carentes de quem o faça. Os empresários já deram e continuam dando sua contribuição. O pequeno empresario só coleciona dificuldades com a burocracia imposta pelos governos, com a burocracia existente no País. Acredito que somente a Reforma Tributária seja a principal saída para o problema da dificuldade para o crescimento econômico - concluiu o dirigente da CDL, acrescentando que o governo municipal "poderia colaborar ainda mais".

Em números absolutos, os municípios localizados na região da Costa Verde (Rio Claro, Mangaratiba, Angra dos Reis e Paraty) e os do Sul Fluminense (Piraí, Barra do Piraí, Pinheiral, Volta Redonda, Barra Mansa, Quatis, Porto Real, Resende e Itatiaia) tiveram um saldo positivo de 2.920 novos empregos formais gerados. Mas, se for avaliado o total de empregos gerados e extintos nestes 14 municípios, os números revelam um défict de 435 trabalhadores dispensados.

O vereador Maurício Pessoa (PSC), avaliou de maneira positiva, porém alerta para as ações que devem ser implementadas pelos governos municipal, estadual e federal, como forma de ampliar essa oferta de trabalho para a população. "É ótimo percebermos que as mudanças estão surtindo efeito. No entanto, ainda há muito o que ser feito para que a mão de obra jovem, bem como os trabalhadores que perderam seus empregos, possam retornar ao mercado e fazer girar a roda da economia. E podemos notar, com os números atuais, que estamos no caminho certo", avaliou o parlamentar.




Anúncio Geleias.jpg

Postagens Recentes

® Copyright
bottom of page